Saltar para o conteúdo

Seguem-se algumas perguntas que pode querer fazer, aspetos que deve mencionar ao seu médico, e algumas das potenciais respostas que pode receber. 

Primeiro, esteja atento aos sintomas mais comuns de azia, refluxo e indigestão, para que possa dizer ao seu médico exatamente como se sente: 

Azia: uma dor ardente na zona do peito, muitas vezes atrás do osso do peito; uma sensação apertada no peito; e um sabor ácido na parte de trás da garganta e da boca. 

Indigestão: Dor no peito inferior/abdómen superior/topo do estômago; sentir-se farto (inchado); precisar de libertar gases ou arrotar. 

Estudos demonstram que 73% das pessoas sofrerão de azia e indigestão intercalada, por isso não se surpreenda se em algum momento sentir todos os sintomas descritos acima. 

P1: Porque estou com azia, refluxo e indigestão? 

O seu médico responderá a esta pergunta, querendo saber detalhes sobre o seu estilo de vida e hábitos alimentares. O médico vai também querer saber quando é que costuma ter episódios de azia, refluxo e indigestão. Espera-se que lhe sejam feitas perguntas como: É depois de uma refeição? Acontece quando ingere certos alimentos? Sofre durante a noite? Come muito rápido? 

Ingerir grandes refeições, especialmente com alimentos picantes, gordurosos ou que contenham ingredientes como tomate, podem desencadear azia e indigestão. O álcool, as bebidas cafeinadas, e as gaseificadas também originar episódios. A indigestão em particular costuma vir associada num momento a seguir à refeição. 

Q2: Por é que a Azia / Refluxo / Indigestão não desaparece? 

Para que o seu médico possa descobrir as causas prolongadas do seu diagnóstico de azia, refluxo e indigestão, terá de informar o seu médico sobre quanto tempo os seus sintomas costumam durar e que tratamentos ou ajustes alimentares terá já tentado. 

P3: A minha Azia, Refluxo ou Indigestão é grave? 

Ambas são condições bastante comuns e na maioria dos casos não haverá nada com que se preocupar. No entanto, se sofre de dores severas e frequentes, procure o seu médico para que possa realizar alguns testes. 

Alguns sintomas, como os de úlcera gástrica, podem ser semelhantes aos da azia e da indigestão. Além disso, o ácido do estômago pode por vezes afetar o revestimento do seu esófago causando inflamação. O médico irá considerar estas possibilidades e pode realizar testes para descobrir se o seu diagnóstico pode ser mais do que simples azia e indigestão. 

Q4: Estou a preocupar-me demasiado? 

O seu médico poderá tranquilizá-lo assim que souber mais sobre as suas circunstâncias particulares. Lembre-se que o stress está associado à azia, refluxo e indigestão. Se você se tem preocupado demais com estas condições, ou com outra coisa qualquer, pode ser aconselhado a tentar relaxar, tanto quanto possível. Por exemplo, um estilo de vida agitado pode não ajudar os seus níveis de stress, azia ou indigestão. 

Q5: O que posso fazer para me auto-ajudar? 

Se tem comido alimentos de risco ou se os seus padrões alimentares estão a contribuir para a sua condição, poderá ser aconselhado a mudar a sua dieta e hábitos alimentares. Se estiver um pouco acima do peso, o médico poderá aconselhá-lo a tentar perder alguns quilos. Todos estes passos irão ensiná-lo a livrar-se ou a prevenir azia, refluxo e/ou indigestão. 

Q6: Estou a tomar o medicamento certo? 

Informe o seu médico de todos os tratamentos que possa ter feito. Diga-lhe há quanto tempo os toma e com que frequência. Tome nota dos nomes dos tratamentos e doses, se for caso disso, para que possa dar ao seu médico informações precisas. Só assim podem avaliar se certo medicamento é a escolha certa para si. 

P7: Tenho feito a toma correta? 

No seguimento da resposta anterior, deve verificar não só se o medicamento está correto, mas que tem tomado a dose mais adequada para si - da maneira certa, e no momento certo. Quanto mais informação der ao seu médico, mais provável é que este seja capaz de fornecer os conselhos mais úteis. 

P8: Devia ter tentado o tratamento ou a solução 'XYZ'? 

Mais uma vez, esta pergunta pode ser devolvida com uma pergunta sobre por que não tentou X, Y ou Z para ajudar a tratar a sua azia e indigestão! Existem muitas razões para não tentar algo, por exemplo - pode ter outra condição médica que não quer arriscar piorar ou estar preocupado em misturar medicamentos. Em caso afirmativo, informe o seu médico sobre as suas preocupações. 

P9: Pode prescrever-me ou recomendar-me algo? 

A resposta a esta pergunta será quase certamente um sim. Em primeiro lugar, é muito provável que o seu médico faça algumas recomendações sobre o seu estilo de vida, dieta e hábitos alimentares. Em segundo lugar, com base no que já disse ao seu médico sobre os medicamentos que toma, este pode: 

  • Aconselhar a tomar qualquer medicação atual exatamente de acordo com as instruções; 
  • Recomendar uma dose maior da sua medicação atual; 
  • Prescrever um medicamento - por exemplo, um supressor de ácido, que pode ter de ser tomado diariamente e durante algumas semanas ou meses; 
  • Consultar um nutricionista.  

Q10: A azia, refluxo e indigestão vão voltar? 

O seu médico não pode garantir que a azia e indigestão não serão recorrentes, mesmo que siga todos os seus conselhos e tome os medicamentos certos. No entanto, irá provavelmente assegurar-lhe que seguir os seus conselhos pode fazer a diferença. Reduzir a frequência e a gravidade da azia e indigestão é um passo positivo, e pode levar tempo para ter períodos em que não sofre do diagnóstico, total ou parcialmente. E porque a azia, o refluxo e a indigestão estão frequentemente ligadas aos alimentos que come, podem voltar os sintomas se você se exceder em ocasiões futuras. 

Q11: Há alguma consequência a longo prazo? 

Nem a azia nem a indigestão têm normalmente consequências a longo prazo. No entanto, é aconselhável não suportar os sintomas por muito tempo. Quanto mais tempo isso acontecer, maior é a probabilidade de uma condição mais grave se desenvolver.  

Se tiver alguma dúvida sobre a sua azia, refluxo ou indigestão, procure o seu médico. O médico será capaz de o ajudar a obter todas as respostas que precisa - então porquê esperar? 

Toda a informação apresentada neste artigo não se destina a diagnosticar ou prescrever. Leia sempre o rótulo. Se os sintomas forem graves ou prolongados, deve consultar um médico ou farmacêutico. Fale sempre com o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento. 

Artigo publicado January 1, 2021