AZIA

A azia é uma sensação de ardor no peito que pode subir até à garganta e é causada maioritariamente pelo refluxo do ácido do estômago.

Causas e Sintomas

A azia, conhecida também por refluxo ácido, afeta muitas pessoas. Ocorre quando o ácido, que normalmente se encontra no estômago, reflui para o esófago (canal que conduz os alimentos). Como o esófago não está tão bem protegido como o estômago, o ácido pode irritar o revestimento do esófago, o que pode provocar sintomas dolorosos, que podem durar de alguns minutos até algumas horas. 

A azia normalmente ocorre após as refeições, antes de deitar e durante a noite. 

Os sintomas da azia podem incluir:

  • Sensação de ardor no peito ou na parte de trás da garganta após comer 
  • Sabor amargo ou ácido na parte de trás da garganta 
  • Pressão atrás do esterno 
  • Inchaço 
  • Arrotos 
  • Naúseas 

Na maioria dos casos, a azia é uma resposta natural ao ácido do estômago. No entanto, pode ser desagradável e impactar a qualidade de vida. Por isso identificámos alguns alimentos que devem ser evitados. 

Que hábitos contribuem para a azia/indigestão?

  • Ingerir grandes refeições pode levar o seu estômago a produzir demasiado ácido. "Encher" fisicamente o estômago em demasia também pode provocar pressão e levar à libertação do ácido. 
  • Comer de forma irregular ou muito rapidamente pode fazer com que os níveis de ácido não tenham tempo para se regular. 
  • Comer depressa ou antes de deitar pode facilitar a libertação do ácido para o esófago. 
  • Alimentos gordurosos tendem a ficar mais tempo no estômago porque as gorduras são de digestão mais lenta. 
  • Alimentos como o chocolate e a hortelã podem ter um efeito relaxante no esfíncter (anel do músculo) à entrada do estômago fazendo com que o ácido suba. 
  • Alimentos picantes, produtos com tomate ou cebola também podem desencadear estes problemas. 
  • Bebidas com cafeína e álcool tendem a aumentar a acidez do estômago. 
  • Bebidas muito quentes e sumos de citrinos também podem desencadear estes problemas. 
  • Usar roupas apertadas pode colocar pressão sobre o seu estômago. 
  • Fumar pode estimular a produção de ácido e causar relaxamento do esfíncter. 

O stress e o excesso de peso também contribuem para a azia/indigestão, por isso é importante vigiar a sua alimentação e peso, fazendo exercício físico frequentemente. No entanto, a sua vida não tem que ficar em pausa por causa da azia – estamos aqui para ajudar.

O que pode causar a azia?

  • Alimentos fritos e gordurosos
  • Comer demasiado
  • Comer rapidamente
  • Produtos cárneos e lácteos com muita gordura
  • Álcool, bebidas com cafeína e alimentos picantes
  • Gravidez – devido a alterações hormonais e à pressão física do bebé no trato digestivo da mulher.

FAQs

A azia pode ter um grande impacto na qualidade e quantidade de sono, uma vez que o refluxo ácido ocorre mais frequentemente antes de deitar. Adicionalmente, ao deitar, a posição do corpo favorece que o ácido suba do estômago até ao esófago. Refeições pesadas antes de deitar colocam mais pressão no esfíncter esofágico superior, forçando-o a abrir.

O estilo de vida é sempre importante. Deixar de fumar, ter uma alimentação equilibrada e reduzir o stress são medidas eficazes. Gaviscon foi desenvolvido para ajudar durante este processo, uma vez que cria uma barreira protetora no estômago que impede que o seu conteúdo (ácido) suba e cause danos no esófago – principalmente quando está a dormir.

Como aliviar

Para impedir que o ácido do estômago suba até ao esófago e cause irritação, os produtos Gaviscon foram desenvolvidos contendo alginato de sódio, uma substância que forma uma barreira protetora de gel no estômago. Os produtos Gaviscon também contêm antiácidos que neutralizem o ácido do estômago. 

Posologia (adultos e crianças com mais de 12 anos): Tome 1 a 2 saquetas de Gaviscon, Saquetas, Sabor a menta ou Gaviscon Duefet, Saquetas ou mastigue 2 a 4 comprimidos de Gaviscon Morango, Comprimidos para mastigar ou Gaviscon Comprimidos para mastigar, Sabor a menta após as refeições e ao deitar.

A informação aqui apresentada não tem como objetivo diagnosticar ou prescrever. Caso os sintomas sejam severos ou prolongados, consulte o médico ou farmacêutico. Leia sempre o folheto informativo.