Saltar para o conteúdo

Sintomas

O nome médico completo para o refluxo é refluxo gastroesofágico. Em rigor, o refluxo gastroesofágico é definido como a passagem do conteúdo do estômago (conteúdo gástrico) para o tubo alimentar (esófago). É o termo usado quando um bebé com refluxo não tem nenhum sintoma ou os sintomas não são graves. O principal sintoma do refluxo nas crianças é a subida de uma pequena quantidade de comida sem qualquer esforço ou sofrimento por parte da criança. 

O refluxo em bebés é muito comum, e afeta cerca de 4 em cada 10 bebés. O refluxo em recém-nascidos começa, geralmente, antes das 8 semanas de idade. Cerca de 5 em cada 100 bebés com refluxo apresentam mais de 6 episódios por dia, e melhora em cerca de 9 em cada 10 bebés, antes de perfazerem um ano de idade.  

O refluxo também pode ocorrer em crianças mais velhas, mas é bastante menos comum do que em bebés. 

Pode também ver o termo regurgitação ou bolçar. Na regurgitação, alguns ou todos os conteúdos do estômago chegam à boca. É comum em bebés com menos de um ano de idade. 

Refluxo silencioso – também chamado de refluxo oculto – é o termo usado quando todo ou parte do conteúdo do estômago entra no esófago, mas não entra na boca da criança. Não é óbvio para a criança, ou para os pais ou qualquer profissional de saúde que observe a criança. 

Doença do refluxo gastroesofágico, é o termo usado quando os sintomas são problemáticos ou ocorrem complicações. A doença do refluxo gastroesofágico ocorre em bebés e crianças saudáveis com alguns fatores de risco específicos subjacentes. 

Estes incluem: 

  • nascimento prematuro 
  • histórico familiar de azia ou regurgitação ácida 
  • obesidade 
  • hérnia de hiato (uma condição em que parte do estômago sobe para o peito) 
  • história da hérnia diafragmática congénita reparada (um defeito de nascença que consiste num orifício no diafragma) 
  • histórico de atresia congénita reparada (um defeito de nascença que afeta o esófago do bebé) 
  • uma neurodeficiência (condição que afeta o sistema nervoso) 
  • Síndrome de Sandifer (uma condição em que um bebé sofre episódios em que os músculos do pescoço entram em espasmos - torcicolo - fazendo com que o pescoço se estenda para trás e rode 1, as costas arqueiem e o queixo levante 3) 1. 

Existe uma sobreposição considerável entre refluxo gastroesofágico e doença do refluxo gastroesofágico, e alguma confusão, mesmo entre os profissionais de saúde. A mensagem final é que os bebés com refluxo simples não têm outros sintomas, alimentam-se bem e crescem de forma saudável3.  

Em contraste, os bebés ou crianças mais velhas com doença do refluxo gastroesofágico podem dar sinais de3

  • Irritabilidade; 
  • Choro excessivo; 
  • Pouco apetite; 
  • Recusa alimentar; 
  • Engasgamento; 
  • Distúrbios do sono; 
  • Tosse crónica; 
  • Respiração ofegante; 
  • Fazer “caretas”. 

Bandeiras vermelhas

 

Se o seu bebé, ou criança, tiver sido diagnosticado com refluxo, deve estar atento a características que podem aparecer mais tarde e indicar que os sintomas podem ser devidos à doença do refluxo gastroesofágico ou outra causa. Estas características são chamadas de "bandeiras vermelhas. Se ocorrerem, precisa de obter mais conselhos do seu médico. Incluem: 

  • Vómitos frequentes e fortes; 
  • Vómito de bílis (verde ou amarelo-verde); 
  • Sangue em vómito (exceto bebés que tenham engolido sangue – por exemplo, de um mamilo ferido durante a amamentação); 
  • Sangue nas fezes (por exemplo, em alguns casos de alergia ao leite de vaca); 
  • Barriga inchada, um nódulo na barriga, ou a barriga macia quando pressionada; 
  • Diarreia (que pode sugerir alergia ao leite de vaca); 
  • Se o seu filho parecer doente ou tiver febre; 
  • Se o seu bebé chora ao urinar ou se queixa de dor, no caso de se tratar de uma criança; 
  • A fontanela (o ponto fraco no crânio de um bebé) parece inchada, a circunferência da cabeça a aumentar rapidamente, o vómito ser pior de manhã (por vezes sinónimo de meningite ou outras condições que causam pressão no fluído à volta do cérebro) ou a criança queixar-se de dores de cabeça matinais; 
  • Comportamento invulgar (por exemplo, o bebé não está tão alerta como de costume, irritável, sonolento); 
  • O bebé desenvolve sintomas de alergia, bem como refluxo (pode ser alergia ao leite de vaca). 

Um médico também pode querer investigar se o bebé ou a criança está a desenvolver uma complicação do refluxo como: 

  • Inflamação do esófago devido ao refluxo ácido, eventualmente levando a úlceras; 
  • Episódios repetidos de pneumonia; 
  • Infeções frequentes no ouvido (3 ou mais em 6 meses); 
  • Erosão dentária (ácido que danifica os dentes) particularmente em crianças com neurodeficiências, como paralisia cerebral. 

Causas

Existe uma válvula muscular entre o esófago e o estômago chamado esfíncter esofágico inferior3. Qualquer coisa que faça com que esta válvula relaxe, permitirá que o conteúdo ácido do estômago flua para o esófago3. Além disso, qualquer coisa que aumente a pressão no estômago forçará a válvula a abrir-se, com o mesmo resultado3

Algumas das causas já foram mencionadas. Estas incluem, por exemplo, defeitos que afetam a estrutura do esófago, como a atresia esofágica congénita e a hérnia de hiato. Uma certa quantidade de refluxo em bebés com menos de um ano é normal4. Tem tudo a ver com a anatomia do bebé e as características fisiológicas4

O esófago é mais curto e estreito do que em crianças mais velhas4. O estômago é mais lento a esvaziar4. O esfíncter esofágico inferior é curto e está acima do diafragma (a parede muscular que divide o peito da cavidade da barriga)4

Adicione a isto um grande volume de leite que gira na barriga do bebé, o pequeno volume do esófago em comparação com o grande volume do estômago, e o facto de os bebés serem muitas vezes alimentados deitados de costas, e pode ter uma tempestade perfeita para regurgitação4. Todas estas características são mais marcantes em bebés prematuros3

Nas crianças mais velhas, alimentos gordurosos, ácidos, cafeína e excesso de comida podem resultar em refluxo3. A obesidade aumenta a tendência para o refluxo devido a um estômago sob pressão aumentada e um esfíncter esofágico inferior que relaxa mais do que o habitual3

O refluxo ocorre mais frequentemente em crianças com algumas doenças pulmonares (crónicas) de longo prazo, tais como fibrose cística e doença pulmonar intersticial. Pensa-se que isto se deve a uma combinação de pulmões excessivamente insuflados, pressionando o diafragma combinado com o aumento da pressão no estômago de tosse3. É também mais provável em crianças com doença cardíaca congénita3

Podem acontecer diferentes sintomas em crianças com neurodeficiência, como paralisia cerebral. A alimentação dos tubos, o vómito a longo prazo, a obstipação e a curvatura da coluna vertebral podem aumentar o risco de refluxo. 

A alergia ao leite de vaca está associada à regurgitação e vómitos semelhantes ao refluxo, mas não é claro se pode realmente ser rotulado como uma causa3. Sabe-se que nos bebés amamentados, o refluxo tende a desaparecer mais rapidamente do que nos bebés que são alimentados com fórmula3

Estudos sugerem que os fatores genéticos podem desempenhar um papel relevante3

Dieta

Dar espessura ao leite materno ou fórmula com cereais pode valer a pena tentar quando o bebé estiver a iniciar a diversificação alimentar3. Uma forma é adicionar uma colher de sopa de cereais (papa) a cada grama de fórmula ou leite materno3. Pode comprar leite anti-refluxo (fórmula que já foi “engrossada”) em supermercados e farmácias3. A fórmula espessa está associada ao aumento do ganho de peso, por isso certifique-se de que não alimenta demasiado o seu bebé3

Manter os bebés na posição vertical durante 20-30 minutos após a alimentação é conhecido por reduzir a regurgitação3. No entanto, não deve deixar os bebés dormirem com a cabeça levantada, de lado ou de frente, num esforço para evitar o refluxo, devido ao risco de síndrome de morte súbita infantil3. No entanto, pode ser recomendado para crianças mais velhas3

Como mencionado acima, os bebés amamentados têm menos problemas com o refluxo do que os bebés alimentados com fórmula, por isso, se o seu bebé tiver refluxo e puder geri-lo, amamentar é a melhor opção3

Regurgitação e vómitos que imitem refluxo pode ser um problema particular em bebés com alergia ao leite de vaca3. Se o seu bebé é suspeito de sofrer deste diagnóstico, não melhorou com a fórmula espessa e as mudanças de postura, um profissional de saúde pode recomendar que se experimente uma fórmula especial3. Esta pode ser uma fórmula hipoalergénica extensamente hidrolisada ou uma fórmula baseada em aminoácidos. Se estiver a amamentar, pode também ser aconselhado eliminar o leite de vaca, quaisquer alimentos que contenham proteína de leite de vaca e alimentos potencialmente alérgicos, tais como nozes, ovos e chocolate na sua própria dieta3

Para crianças mais velhas, o conselho é praticamente o mesmo que em adultos. Comer demasiada quantidade, ter um peso acima do normal e comer antes de dormir, pode desencadear o refluxo3. Alimentos que possam abrandar a velocidade com que o estômago esvazia, tais como alimentos picantes e gordurosos, devem ser evitados3. O seu filho também deve afastar-se de bebidas à base de cafeína, chocolate e hortelã-pimenta, que podem baixar a pressão do esfíncter esofágico3

Tratamento

Como mencionado acima, a regurgitação é uma ocorrência temporária que geralmente se esclarece por si mesma5. Se o refluxo se tornar um problema, ou o seu bebé ou criança for diagnosticado com doença do refluxo gastroesofágico e engrossar os alimentos e sentar o bebé na vertical não ajuda, aconselha-se com o seu médico. 

Toda a informação apresentada neste artigo não se destina a diagnosticar ou prescrever. Leia sempre o rótulo. Se os sintomas forem graves ou prolongados, deve consultar um médico ou farmacêutico. Fale sempre com o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento. 

Referências 

1 Nice Guidance NG1 Doença do refluxo gastroesofágico em crianças e jovens: diagnóstico e gestão, 2015. Acedido a 04/01/2021 em: https://www.nice.org.uk/Guidance/NG1 

2 NICE CKS GOR em Crianças: Diagnóstico, 2020. Acedido a 04/01/2021 em: https://cks.nice.org.uk/topics/gord-in-children/background-information/definition/ 

3 Leung AK, Hon KL. Refluxo gastroesofágico em crianças: uma análise atualizada. Contexto de drogas. 2019;8:212591. Publicado 2019 jun 17. doi:10.7573/dic.212591, disponível a partir de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6586172/ última acessada 05/01/2021 

4 NICE CKS GOR em Crianças: Causas. Acedido a 04/01/2021 em: https://cks.nice.org.uk/topics/gord-in-children/background-information/causes/  

5 NICE CKS GOR em Crianças: Gestão. Acedido a 06/01/2021 em: https://cks.nice.org.uk/topics/gord-in-children/management/management/  

Artigo publicado January 1, 2021